Crowdlearning é para empreendedores de si mesmos.

É o que acredita Bibiana Pozzebon, diretora da Nós.vc, plataforma de aprendizado colaborativo de Porto Alegre (RS). Confira a entrevista a seguir.

Jovens Braskem - Quais as vantagens do crowdlearning?

Bibiana Pozzebon - Como é um aprendizado que surge a partir da multidão, de um coletivo, do interesse de um determinado grupo de pessoas, acaba sendo mais significativo - afinal, você não está apenas recebendo informação, e sim vivenciando algo que aconteceu pela vontade das pessoas. Elas identificam uma vontade do saber, organizam-se como coletivo e aprendem juntas.

 

 

JB - Qual o perfil das pessoas que buscam esse tipo de aprendizado colaborativo?
BP - Empreendedores. Não no sentido de empresário, dono de um negócio, mas a pessoa como empreendedora do seu saber, do seu aprendizado. A pessoa que não se satisfaz simplesmente com os conhecimentos metodológicos, científicos e acadêmicos; que quer saber de si, da vida e dos outros. Essa pessoa, empreendedora de si, relaciona seus saberes e conhecimentos com experiências de vida.

JB - Quais temas costumam despertar mais interesse?
BP - Em geral, design thinking, gastronomia, que é um assunto que as pessoas adoram, e festivais de aprendizado.

JB - Quanto tempo costuma durar cada encontro, em média?
BP - Depende muito. O organizador é quem define isso, de acordo com o conteúdo a ser aprendido. O local do encontro também é definido a partir do conteúdo. Também é o organizador que define o local do encontro.

JB - O que você costuma ouvir das pessoas que participam dos encontros sobre esse formato de troca de conhecimento?
BP - Elas dizem que são experiências transformadoras. Quem participa do crowdlearning são pessoas abertas, dispostas a trocar, o que torna o encontro interessante tanto para o organizador como para o participante.

JB - Como funciona, no caso da Nós.vc, o lucro sobre cada encontro realizado?
BP - Ficamos com 15% do valor pago por pessoa, referentes às tarifas do meio de pagamento, que varia entre 5 e 13%, e à porcentagem restante para cobrir os custos da plataforma. Por exemplo: quando alguém faz uma inscrição no valor de R$ 100, o organizador do encontro vai receber aproximadamente R$ 85.