Descubra como as fake news podem afetar a carreira

Publicar comentários virtuais requer maturidade para não prejudicar a reputação profissional e corporativa

O universo digital é um grande aliado do nosso dia a dia, especialmente por facilitar o contato em tempo real com pessoas em diferentes localizações geográficas. Essa vantagem, no entanto, pode se tornar um problema quando os canais são usados para a disseminação de fake news (boatos e notícias falsas), que podem comprometer a imagem e a reputação de pessoas e empresas.

Ser vítima de um boato maldoso pode ser bastante prejudicial para a vida pessoal e profissional, mas compartilhar esse tipo de notícia pode até ser considerado crime (saiba mais abaixo). Assim como um candidato a uma vaga de emprego estuda a empresa antes de uma entrevista, os recrutadores também procuram informações sobre o profissional no ambiente virtual, analisando o que costuma postar, como se expressa entre seus amigos, seus interesses e até mesmo algumas informações que constam no currículo.

Saber disso é muito importante quando, durante uma entrevista de emprego, surgem perguntas sobre o teor de uma postagem específica do candidato em suas redes sociais. A especialista em gestão de carreiras Fátima Trindade, diretora executiva da consultoria de gestão profissional e RH Thomas Case & Associados, sugere agir com naturalidade. "Se for algo positivo, pode-se até reforçar e entrar em detalhes sobre o assunto. Caso o post seja negativo, é importante explicar o ocorrido e demonstrar cuidado e atenção com o que será publicado futuramente", diz.

Caso a fake news seja sobre a empresa para a qual você está disputando uma vaga, o tema pode ser abordado durante a entrevista, mas não deve ser o foco do bate-papo. "Concentre-se em mostrar sua experiência e entender a necessidade da empresa sobre suas competências e gaps. Apenas em um segundo momento, pode-se questionar o recrutador a respeito de fake news sobre a companhia", orienta Fátima.

Depois de contratado, ao se deparar com algum boato maldoso sobre si mesmo ou sobre a empresa, o indicado é procurar rapidamente o gestor ou o RH para explicar o ocorrido e, juntos, buscarem uma solução, lembrando que há diversas formas de descobrir e punir os crimes virtuais. Quando a fake news é um ataque pessoal, a solução pode ser entrar em contato com os responsáveis e, enquanto o problema não for resolvido, desabilitar o perfil. Outra opção é a tomada de medidas legais.

Pode ser crime!

A advogada Ana Cristina Mendonça, professora de Direito Penal do CERS Cursos Online, conta que a fake news pode se enquadrar em um dos crimes contra a honra previstos no Código Penal (calúnia, difamação e injúria, previstos nos artigos 138, 139 e 140). "Quando praticados pela Internet ou outro meio que facilite a divulgação, esses crimes têm sua pena aumentada em ?, podendo chegar a dois anos e oito meses de prisão."

Para quem é vítima de uma notícia falsa, os advogados Luis Carlos Dias Torres e Paulo Tiago Sulino Muliterno, do escritório Torres Falavigna Advogados , orientam a obter uma ata notarial das ofensas junto a um tabelião de notas para gerar prova material e, em seguida, procurar as delegacias da Polícia Civil, que contam com áreas especializadas em crimes cometidos pela Internet e meios eletrônicos para lavrar boletim de ocorrência.

 

Atenção Especial

Saias-justas podem acontecer, por isso o indicado é ficar de olho nas marcações feitas em posts de amigos e sempre rever as configurações de privacidade da conta, selecionando quem pode ter acesso às informações. "Um cuidado ao usar as redes sociais é não entrar em discussões de temas polêmicos, como diversidades em geral, política, religião, futebol, entre outros, pois podemos nos exaltar e comprometer nossa imagem", orienta Fátima.