Na Braskem, você pode ser quem quiser

Muitas pessoas, com medo de perder oportunidades de trabalho ou sofrer discriminação dos colegas, escondem sua orientação sexual. E o impacto dessa escolha pode ser sentido na produtividade, na criatividade, nos relacionamentos profissionais e na evolução da carreira. A Braskem sabe disso e, por meio do Programa de Diversidade e Inclusão e do Grupo de Trabalho LGBTQIA+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros, Queer, Intersexo, Assexuais), vem desenvolvendo iniciativas para trazer informações sobre diversidade e promover um ambiente de trabalho mais respeitoso e inclusivo.

Bruna Besse Matias, Analista de Planejamento Logístico Sr., conta sua experiência na empresa e como o Grupo de Trabalho age para construir um ambiente cada dia mais inclusivo e respeitoso em relação à orientação sexual e à identidade de gênero dos Integrantes.

"Quando entrei na Braskem, há quase quatro anos, eu escondia minha sexualidade por receio de ser julgada ou discriminada. Mas, felizmente, isso nunca aconteceu. A empresa possui um Programa de Diversidade e Inclusão, que conta com três Grupos de Trabalho com estrutura própria (Equidade de Gênero, Raça e Etnia e LGBTQIA+). Esses grupos realizam ações para multiplicar e engajar os integrantes no tema, trabalho voluntário junto à comunidade e benchmarking com outras empresas.

Então, com o fortalecimento desse trabalho, decidi abrir minha orientação sexual para a empresa no momento em que passei a fazer parte do GT LGBTQIA+. E, como já acontecia antes, não sofri qualquer tipo de discriminação; sempre fui tratada com respeito e amizade por meus companheiros de trabalho.

Nosso grupo tem bastante trabalho. Atualmente, estamos nos envolvendo com projetos externos no centro de acolhida Casa 1 , como voluntários no programa corporativo da Braskem por meio da doação de livros, macas e aulas para a capacitação profissional dos moradores da casa. Estamos ainda estruturando nossa Rede de Afinidade, que será lançada em julho, com objetivo de promover um espaço inclusivo e de partilha de conhecimentos e experiências entre os membros LGBTQIA+ que pertencem à Braskem. Vamos também promover cafés com diversidade para trazer depoimentos e exercitar a empatia no ambiente da empresa.

Na Braskem tive, pela primeira vez, oportunidade de falar abertamente sobre minha sexualidade sem ter o receio de colocar minha carreira profissional em risco. Nesse sentido, essa liberdade que senti já faz toda a diferença para que eu me motive e queira construir um futuro dentro da companhia, além de buscar ajudar e empoderar outras pessoas por meio do exemplo e da delegação das atividades na estrutura do GT LGBTQIA+. Além disso, como mulher, vejo que a Braskem, desde que entrei na empresa, vem buscando constantemente incluir mais mulheres no seu quadro de Integrantes, inclusive nas posições de liderança.

Como profissional, posso dizer que não sinto diferença no tratamento nem nas oportunidades que surgem. Nosso grande desafio, dentro do GT, é conduzir o tema LGBTQIA+ de forma respeitosa para com todos, independentemente de trabalharem nos escritórios ou nas plantas da companhia. O que queremos é que nossos Integrantes se sintam confortáveis em ser quem são.